21.8 C
São Marcos
InícioGeralJovem são-marquense precisa de ajuda para realizar cirurgia e continuar enxergando

Jovem são-marquense precisa de ajuda para realizar cirurgia e continuar enxergando

Adolescente de 14 anos tem ceratocone, já perdeu a visão do olho direito e corre contra o tempo para salvar o olho esquerdo. Saiba como ajudar

A família do são-marquense João Pedro de Oliveira, de 14 anos, está em campanha para arrecadar pelo menos R$ 20 mil reais para pagar um procedimento que consiste na colocação de um anel no olho a fim de conter o avanço de uma doença denominada ceratocone.

O jovem foi diagnosticado há menos de um ano e já apresenta um comprometimento relevante na visão, enxergando cerca de 30% apenas pelo olho esquerdo, o valor também será utilizado para impedir o avanço da doença no olho direito que está ainda mais comprometido.

De acordo com a mãe do adolescente, o jovem nunca fez uso de óculos, porém no início da pandemia percebeu mudanças no comportamento do filho, principalmente quando ele utilizava aparelhos eletrônicos, colocando-os muito próximo dos olhos. A família decidiu marcar uma consulta com um especialista e foi surpreendida com o diagnóstico de ceratocone. Outra surpresa foi o grau de avanço da doença, já que o jovem já havia perdido a visão de um dos olhos.

A ceratocone é uma doença degenerativa que provoca a deformação da córnea, que é a membrana transparente que protege o olho, tornando-a mais fina e curva, adquirindo a forma de um pequeno cone, sendo mais comum na fase da adolescência, podendo ter origem genética ou mesmo comportamental, como ficar coçando os olhos com muita frequência. No caso do adolescente a colocação do anel é uma tentativa de prevenir ou adiar o transplante de córnea, o implante do Anel de Ferrara é um procedimento menos invasivo (extra-ocular), reversível e ajustável.

“Ele precisa colocar uma espécie de anel nos olhos para tentar recuperar a visão no olho direito e impedir o avanço da doença.” complementa a mãe, que é servidora pública municipal.

Esse anel é transparente, fino e não causa qualquer rejeição no olho. Todo o procedimento é realizado de forma simples, segura e indolor (com anestesia local), porém só é feito de forma particular.

O jovem é estudante da escola Francisco Doncatto e apesar da dificuldade para enxergar, tem ótimas notas, além disso, antes do diagnóstico era ativo e jogava futebol, atividade que precisou ser interrompida por conta da doença.

O procedimento de colocação do anel custa cerca de R$ 10.000,00 para cada olho. A família criou uma vaquinha virtual para quem quiser contribuir com qualquer valor.

De acordo com a mãe, outra opção cogitada foi o transplante de córnea que, pelo SUS, seria feita em Porto Alegre, mas conforme o especialista que acompanha o caso, o grau de rejeição seria muito alto na idade do jovem.

Devido a gravidade do caso, a família também busca suporte via judicial para realização rápida do procedimento, cientes de que o processo pode demorar e o jovem não pode esperar, optaram também pela campanha virtual e a contratação de um plano de saúde para procedimentos posteriores.

Quem quiser contribuir pode fazer doações de qualquer valor por meio da vakinha, via depósito bancário Banco Banrisul ag: 0880 | conta: 35.822100.0-6 (Elisiane da Silva Lemos) ou ainda via pix: 753.612.130.04

Destaques

Últimas

Conteúdo relacionado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui