16.1 C
São Marcos
InícioSaúdeO Suicídio nas Organizações

O Suicídio nas Organizações

As consequências do estresse e das altas cobranças que muitos trabalhadores enfrentam e a sobrecarga de tarefas para os funcionários, por conta das inúmeras demissões durante a pandemia

Vivemos o apogeu do empreendedorismo, exaltam todos! O colaborador se transformou numa espécie de empregador de si mesmo. Ele é o novo empreendedor, mesmo quando claramente mantém vínculos empregatícios, subordinação definida, jornada de trabalho com horários estabelecidos e, mais do que tudo, dependência econômica. 

A sua opção existencial não é pela ascensão do risco da atividade empresarial. Mas o contexto do empreendedorismo corporativo o impulsiona ao desempenho dos mesmos papéis e funções, vivendo em plenitude as circunstâncias de um empresário propriamente dito. Pior ainda: não briga pelo seu negócio, mas pelo negócio dos outros.

Quando fracassa, o empresário costuma ir à falência como pessoa jurídica, mas nem sempre como pessoa física. Às vezes, fica até mais rico. Já o empreendedor-empregado inevitavelmente passa a integrar a lista dos desempregados de um headhunter, numa busca ansiosa por recolocação pelo menos próxima ou similar a que detinha antes.

Os dramas existenciais – que vão de depressões, frustrações e crises, até suicídios, como a imprensa internacional tem veiculado em números alarmantes, por exemplo, nas macro-corporações francesas – são certamente as consequências das novas formas de organização do trabalho praticadas nestes primeiros anos do Século XXI.

Não são os problemas pessoais não tratados dos empregados que os levam a atos de desespero e à depressão nos ambientes de trabalho. Esses atos são a resposta dilacerante de empregados, ditos colaboradores e empreendedores, que sucumbem no cotidiano de uma realidade de trabalho que lhes é totalmente adversa.

Aquele colaborador que se suicida nos convoca para ver o que é visível, mas não é visto no mundo das organizações. Estamos crescentemente produzindo sobreviventes, mortos-vivos ou zumbis no cotidiano de nossas organizações, e nem nos damos conta disso. É claro, os reiterados casos de suicídio nos escandalizam!

Nunca se exaltou tanto “o trabalho em equipe”, “o vestir a camisa”, “o ter o espírito de grupo”, mas as avaliações individualizadas de desempenho e de cumprimento de metas e de resultados produzem o dilaceramento psicológico e moral do empregado-empreendedor como pessoa.

O suicídio é o ato derradeiro de libertação de muitos que, ao fracassarem, não suportam mais a submissão às estratégias sutis de exploração humana praticadas hoje no mundo do trabalho sob a fachada do empreendedorismo corporativo, a nova resposta capitalista ao problema da luta de classes, o dernier-cri da ideologia instrumental a serviço da aristocracia financeira detentora massiva do capital majoritário das organizações.

(*) Wagner Siqueira é consultor de organização, diretor-geral da UCAdm – Universidade Corporativa do Administrador e conselheiro federal junto ao CFA – Conselho Federal de Administração. Autor dos livros “Estratégias de Intervenção em Consultoria de Organização” (de 2021, publicado pela Amazon); “As Organizações São Morais?” (de 2014, Editora Qualitymark), “As Seitas Organizacionais” (de 2005, Editora Fundo de Cultura) entre outros.

Destaques

Últimas

Conteúdo relacionado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui