21.8 C
São Marcos
InícioGeralCaso Kauana completa um ano e júri ainda não foi designado

Caso Kauana completa um ano e júri ainda não foi designado

Leandro Daniel Hoffmann é o assassino confesso de Irene da Fonseca; 67 anos e Kauana Santos; 16 anos

O crime que chocou a comunidade são-marquense em 2020 completou um ano neste sábado, 26 de junho. Na ocasião, Leandro Daniel Hoffman, atualmente com 32 anos, atirou na avó de Kauana, Irene da Fonseca; 67 anos e ateou fogo na residência com a idosa no interior da moradia, fugindo para o mato com a adolescente.

O São Marcos Online fez contato com a defensoria pública do município esta manhã e apurou que Leandro Daniel Hoffman, réu confesso do crime, foi sentenciado em primeira instância pela Juíza Ana Paula Della Latta, porém, os advogados particulares que atuam no caso entraram com recurso. Leandro está preso desde a captura e aguarda por tribunal do júri.

Hoffman foi indiciado por duplo homicídio qualificado, ocultação de cadáver e incêndio criminoso. Leandro era caseiro da chácara onde a família das vítimas residiam, localizada no interior de São Marcos.

Conforme depoimento prestado no dia em que foi capturado, Leandro afirma que a motivação seria uma desavença com o pai de Kauana, o qual ele acreditava que também estivesse na residência no momento do crime, já que o carro estava na garagem.

Hoffmann teria invadido a residência e entrado em discussão com a idosa que iniciou luta corporal com o criminoso, nesse momento a adolescente e o irmão de 7 anos que também estava na casa, saíram para se esconder. Ao ouvir o disparo contra a avó, Kauana teria retornado no intuito de socorrê-la e foi arrastada por Leandro para o mato. O menor se escondeu entre arbustos na área externa.

A jovem conseguiu fugir do criminoso mas foi alvejada por disparo de arma de fogo. Após matar a jovem, Leandro pegou a adolescente e colocou dentro de um córrego que fica a cerca de 300m da residência, com diversas pedras sobre o corpo, impedindo-o de boiar, em seguida ateou fogo no sofá da casa e fugiu pelo mato. Conforme o delegado Edinei Albarello, responsável pela investigação, Hoffmann tem amplo conhecimento em áreas fechadas por trabalhar com roçadas, ele teria feito todo o trajeto entre São Marcos e Vila Oliva (onde foi encontrado), cerca de 80km, pelo meio do mato.

Foto: São Marcos Online

O corpo de Kauana foi encontrado quatro dias após o crime em local indicado por Hoffman que já estava foragido da justiça de Capanema, onde cometeu duplo homicidio em 2015. As vítimas seriam dois irmãos e o crime também ocorreu em área rural.

A necropsia no corpo de Kauana apontou que a vitima sofreu um ferimento na cabeça provocado por disparo de arma de fogo e dois ferimentos no abdômen provocados por arma branca (provavelmente faca). Não ocorreu abuso sexual.

Destaques

Últimas

Conteúdo relacionado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui